Milosevic consegue pequena vitória em julgamento

Numa primeira vitória para Slobodan Milosevic, o Tribunal Penal das Nações Unidas para a ex-Iugoslávia descartou nesta quarta-feira o testemunho de um importante investigador da promotoria, afirmando que ele se baseava em rumores. Mas Milosevic enfrentou o depoimento incriminatório de uma testemunha de origem albanesa segundo a qual 16 membros de sua família foram mortos por tropas sérvias em 1999. A testemunha afirma ter sido forçada a fugir de seu povoado em Kosovo. Agim Zeqiri, de 49 anos, foi a primeira de dezenas de vítimas que a promotoria quer chamar para testemunhar que as forças sérvias, formalmente sob o comando de Milosevic, foram responsáveis pelo assassinato de milhares de pessoas e pela deportação de 800 mil kosovares de origem albanesa durante a investida sérvia na província.Zeqiri, um camponês do povoado de Celine, disse que em março de 1999, durante o bombardeio da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) na Iugoslávia, as tropas sérvias cercaram os moradores do povoado, separaram as mulheres e crianças dos homens, e deportaram milhares para a vizinha Albânia.O povoado foi queimado, e vários albaneses étnicos foram mortos ou seriamente espancados, afirmou Zeqiri. "Não vi minha família desde então. Foram todos mortos", afirmou Zeqiri. Milosevic, o primeiro ex-chefe de Estado a ser acusado de crimes de guerra enquanto no poder, é acusado de crimes contra a humanidade em Kosovo e na Croácia, e de genocídio na Bósnia, durante as guerras balcânicas entre 1991 e 1999. Ele pode ser condenado à prisão perpétua caso seja considerado culpado por qualquer um dos 66 crimes. Durante sua inquirição a Zeqiri, Milosevic procurou mostrar que os moradores de Celine estavam apoiando os rebeldes étnicos albaneses que estavam combatendo pela independência de Kosovo da Sérvia. "Então, vocês os ajudaram (os rebeldes) com comida e roupas?", perguntou Milosevic. "Sim", respondeu Zeqiri, girando a cabeça e se recusando a olhar para Milosevic durante a inquirição. "Quantos deles estavam no povoado de vocês?", perguntou Milosevic. "Havia pelo menos 300. Eles não estavam no nosso povoado. Apenas passavam por lá de vez em quando", disse Zaqiri. "Então, vocês prestaram assistência para uma unidade de 300 rebeldes", concluiu Milosevic, referindo-se ao Exército da Libertação de Kosovo. Um pouco mais cedo, Kevin Curtis, um importante investigador dos crimes de guera em Kosovo, deveria prestar depoimento sobre "os locais de assassinatos" onde milhares de kosovares de origem albanesa foram, supostamente, mortos pelas forças sérvias. Mas os juízes entenderam que o depoimento de Curtis seria irrelevante, pois ele repetiria histórias que havia escutado de outras pessoas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.