Milosevic continua a desafiar tribunal da ONU

Depois de quatro meses na prisão, o ex-presidente iugoslavo Slobodan Milosevic manteve sua atitude combativa nesta segunda-feira, refutando novas acusações de crimes de guerra por parte dos promotores das Nações Unidas e desprezando os três advogados destacados para defender seus interesses. Mantendo-se firme na sua atitude de desafio perante o tribunal, Milosevic se recusou a contestar um novo indiciamento que o acusa de atrocidades e assassinato na Croácia, em 1991, e de acusações mais completas de mais mortes, deportações e estupros em Kosovo, em 1999. Esta foi a terceira vez que Milosevic apareceu perante a corte desde sua transferência para Haia, em junho. Também foi a terceira vez que ele entrou em confronto com o juiz que preside a corte, Richard May, da Grã-Bretanha. Milosevic foi indiciado por 32 acusações de assassinato, perseguição e pilhagem na Croácia - alegações que remontam ao início de uma década de guerras nos Bálcãs, provocadas pelo desmembramento da Iugoslávia. Os promotores afirmam que vão fazer um terceiro indiciamento contra Milosevic na próxima semana, incluindo a acusação por genocídio - a mais séria de todas -, pelo assassinato em massa de muçulmanos na Bósnia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.