Milosevic critica testemunha de acusação

Numa batalha verbal de quatro horas, Slobodan Milosevic definiu a primeira vítima que testemunhou contra ele no julgamento por crimes de guerra como mentirosa, e definiu as ações da polícia sérvia em Kosovo como uma luta contra o terrorismo. Milosevic tentou desacreditar Mahmut Bakalli, chamando-o de "não confiável". Bakalli é um político de etnia albanesa. Ele afirmou que o ex-presidente iugoslavo destruiu friamente Kosovo e foi responsável por milhares de mortes na província.Milosevic, o primeiro ex-chefe de Estado a ser acusado por crimes de guerra enquanto estava no poder, é acusado de crimes contra a humanidade em Kosovo e na Croácia e de genocídio na Bósnia, durante as guerras balcânicas de 1991 e 1999. Ele pode ser condenado à prisão perpétua caso seja considerado culpado por qualquer um dos 66 crimes dos quais é acusado. Embora seja formado em Direito, Milosevic nunca praticou a advocacia até se tornar seu próprio advogado de defesa, no tribunal que as Nações Unidas estabeleceram para julgar os crimes de guerra cometidos na ex-Iugoslávia. Ele se recusou a reconhecer o tribunal, sob a alegação de que se trata de um instrumento das potências ocidentais que desejam destruir a ele e a sua nação. Às vezes em tom sarcástico, Milosevic trocou acusações acaloradas com Bakalli, tentando pegá-lo em contradições. Também enfatizou as ligações de Bakalli com os rebeldes de etnia albanesa de Kosovo, argumentando que ele é muito preconceituoso para ser uma testemunha confiável.Em uma de suas declarações, Milosevic perguntou se o grupo rebelde de Kosovo foi desarmado quando as forças internacionais de manutenção da paz chegaram à província, em 1999."Sim, foi desarmado", disse Bakalli. "Então, o que eles estão combatendo agora?", perguntou Milosevic, afirmando que 3 mil sérvios foram mortos em Kosovo por "terroristas" desde a chegada das tropas lideradas pela Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan). "Pode-se comprar armas livremente em Kosovo", respondeu Bakalli. "Você sabe que há contrabando de armas em Kosovo? ", perguntou Milosevic. "Não, isto não existe", afirmou Bakalli. "Mas você disse agora há pouco que pode-se comprar armas livremente em Kosovo", disse Milosevic. A inquirição de Milosevic despertou elogios de alguns especialistas legais. "O que vimos esta manhã foi uma inquirição vigorosa, muito bem feita", declarou Richard Dicker, da organização não-governamental Human Rights Watch, sediada em Nova York. Dicker disse que a habilidade de Milosevic em prejudicar a credibilidade da testemunha é "um marco para o julgamento de qualquer acusado, em qualquer tribunal". Em Belgrado, Toma Fila, um advogado que trabalhou com Milosevic, disse que Bakalli "chegou mal preparado e usou fatos incorretos em seu depoimento". Ele afirmou que Milosevic "destruiu sua testemunha". Fila chamou de "improvisação" a tática do tribunal que julga Milosevic, "o que não é bom, a longo prazo".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.