Milosevic não ordenou massacres, diz testemunha

O predecessor de Slobodan Milosevic como presidente da Iugoslávia, Zoran Lilic, disse ao tribunal de crimes de guerra das Nações Unidas que o ex-mandatário não ordenou os massacres pelos quais é acusado. Lilic disse à corte que não acredita que Milosevic tenha ordenado, principalmente, o massacre de pelo menos 7.500 muçulmanos em Srebrenica, no leste da Bósnia, em 1995.Lilic descreveu a fúria de Milosevic depois que soube do massacre, acrescentando que o mandatário pensava que tal ato afetaria seus planos de se projetar internacionalmente como estadista, durante as conversações na cidade americana de Dayton, que puseram fim aos três anos e meio de guerra. Lilic, que foi presidente da Federação Iugoslava de 1993 a 1997, poderia fornecer aos promotores evidências importantes sobre a suposta relação entre as políticas empreendidas por Milosevic e as atrocidades cometidas durante a violenta divisão da Iugoslávia.Milosevic, que se defende a si mesmo contra 66 acusações de crime de guerra na corte da ONU, foi presidente da Sérvia durante o mandato de Lilic, mas de fato representava o principal poder político e militar da federação. Embora não passasse de uma figura simbólica à época, Lilic era considerado um aliado de Milosevic, até 1997.No ano passado, Lilic recebeu uma convocação para se apresentar como testemunha da promotoria do caso e foi levado ao tribunal da ONU em Haia. Mas se negou a testemunhar contra Milosevic, a menos que recebesse a promessa de que não seria processado por revelar segredos de Estado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.