Milosevic tenta evitar ordem de prisão

Uma corte de Belgrado entregou hoje a Milosevic uma ordem de detenção enviada pelo Tribunal de Crimes de Guerra da ONU, junto com uma lista de acusações contra o ex-presidente iugoslavo.A medida foi tomada um dia depois que o tribunal advertiu as autoridades iugoslavas de que poderiam enfrentar sanções da ONU se não entregassem a ordem de detenção ao ex-mandatário.Em um comunicado, a Corte de Distrito em Belgrado informou ter feito a entrega a Milosevic, detido na Prisão Central, para que ele pudesse "inteirar-se de seu conteúdo".Mas um dos advogados do ex-mandatário disse à Associated Press, sob a condição de manter o anonimato, que o ex-presidente recusou aceitar uma cópia da ordem de detenção que lhe foi levada por um funcionário da corte, o qual finalmente a deixou entre as traves de um pequena janela na porta de sua cela. O indiciamento foi apresentado às autoridades iugoslavas no mês passado por Hans Holthius, chefe de registros do tribunal com sede em Haia, na Holanda. Na quarta-feira, o ministro iugoslavo da Justiça, Momcilo Grubac, recebeu uma carta de Holthius, advertindo-o de que a falta de entrega do documento a Milosevic poderia resultar na apresentação de um comunicado de incumprimento perante o Conselho de Segurança da ONU."As autoridades da República Federal da Iugoslávia devem atuar prontamente e com a devida diligência para assegurar a execução apropriada e efetiva desta ordem de detenção", disse Holthius na carta, divulgada hoje pelo tribunal.Hoje, o porta-voz do tribunal, Jim Landale, disse que a corte recebeu a confirmação de que a ordem havia sido entregue a Milosevic.Landale acrescentou que "Milosevic deve agora ser entregue rapidamente ao tribunal". Ele considerou a rapidez da entrega "significativa", porque ela representaria "um reconhecimento, por parte das autoridades iugoslavas, da jurisdição do tribunal" de Haia.Mas Vladen Batic, ministro de Justiça da Sérvia, a principal república iugoslava, disse nesta quinta-feira que a entrega da ordem de detenção de Milosevic emitida pela ONU é uma questão processual e "não tem influência" sobre sua possivel extradição, segundo a agência de notícias BETA. As autoridades iugoslavas já haviam citado a proibição constitucional como uma das razões principais de sua negativa em entregar Milosevic ao tribunal de Haia. Porém Grubac também disse hoje que um projeto de lei que permitirá a total cooperação com o tribunal da ONU já está pronto e será discutido pelo governo e o parlamento, segundo a agência oficial de notícias Tanjug. O ex-presidente iugoslavo foi detido em 1º de abril, sob suspeitas de corrupção e outras violações às leis iugoslavas durante seu mandato de 13 anos. As autoridades da Iugoslávia tentaram evitar sua extradição para a corte internacional, que o acusa de abusos contra os albaneses étnicos em Kosovo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.