Lucy Nicholson/Reuters
Lucy Nicholson/Reuters

Mineiros chilenos e diretor da Tesla tentam ajudar grupo

Manifestações de apoio aos meninos vão desde mensagens de incentivo a envio de engenheiros da Space X

THE WASHINGTON POST, O Estado de S.Paulo

06 Julho 2018 | 21h12

WASHINGTON - Era uma tarde de quinta-feira, oito anos atrás, quando Omar Reygadas ouviu a explosão que o prenderia e a outras 32 pessoas dentro de uma mina no Deserto do Atacama, no Chile. Ele ficou 69 dias sem ver a luz do dia. Reygadas, viúvo de 64 anos, foi 17.º mineiro a ser retirado da mina, em meio a um dramático esforço que capturou a atenção do mundo. 

Agora, ele está acompanhando do Chile os trabalhos de resgate dos 12 meninos e seu treinador de um complexo de cavernas na Tailândia. “É terrível para eles, são pequenos, mas acredito que os meninos têm muita força e vão conseguir sair de lá”, disse Reygadas à agência Associated Press

Apesar de dizer que era difícil para ele dar algum conselho, encorajou os meninos a pensar em ser “reunir com suas famílias”. “Eles não deveriam ter vergonha de estarem com medo, pois nós estávamos amedrontados também. Nossas lágrimas caíam. Mesmo sendo adultos, chorávamos”.

Apoio internacional. Mario Sepúlveda, outro mineiro chileno que ganhou o apelido de Super Mário, em 2010, por ter se tornado o dinâmico porta-voz do grupo na mina, também manifestou apoio. “Tenho certeza de que, se o governo do país fizer tudo o que puder, o resgate será bem-sucedido”, disse em mensagem de vídeo à agência France Presse.

“Após dizer no Twitter que estava “feliz em ajudar”, o diretor executivo da Tesla, Elon Musk, confirmou ontem que engenheiros de suas duas companhias, Space X e Boring, irão para a cidade de Mae Sai, no norte da Tailândia, para ajudar as equipes de resgate. A Space X produz espaçonaves, enquanto a Boring é uma companhia de construção de infraestrutura que “tem um avançado radar que cava buracos”, tuitou Musk.

O governo tailandês colocou no Facebook uma imagem do tuíte de Musk, acrescentando que os engenheiros americanos devem chegar hoje para ajudar no resgate. “Ele pode fornecer os serviços de localização, drenagem de água e geração de energia”, escreveu o governo tailandês.

Saída. Outras pessoas manifestaram seu apoio por meio das redes sociais e muitas deram ideias sobre como retirar os meninos. Alguns sugeriram construir “uma pequena cápsula” ou um “minissubmarino” enquanto outros, como Musk, deram a ideia de colocar um tubo inflável na caverna que permitiria ao grupo rastejar para fora.

Em Mae Sai, as equipes de resgate se concentram em encontrar alternativas de entradas na caverna, de drenar a água e de ensinar os meninos a mergulhar. Especialistas, no entanto, dizem que o trajeto na caverna é muito difícil para mergulhadores sem experiência, que seria uma travessa muito arriscada. 

No entanto, a previsão de chuvas no fim de semana aumentou o temor de que, se um resgate não for feito em breve, as chuvas de monção na Tailândia podem deixar o grupo preso na caverna por meses. 

 

Mais conteúdo sobre:
Tailândia [Ásia] Elon Musk caverna

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.