Mineiros em greve não serão demitidos, afirma Lonmin

A mineradora Lonmin disse nesta terça-feira que os trabalhadores em greve não serão demitidos. A África do Sul está oficialmente de luto pela morte de 44 pessoas durante os protestos na mina de platina de Marikana, incluindo 34 manifestantes baleados pela polícia na quinta-feira.

AE, Agência Estado

21 de agosto de 2012 | 10h05

A gerência da mina havia ordenado que os grevistas retornem ao trabalho nesta terça-feira, ou então seriam demitidos. Mas a empresa voltou atrás após conversas com o governo. Segundo o vice-presidente-executivo da mina, Harold Molaka, aqueles que faltarem serão punidos, mas não necessariamente demitidos.

A Lonmim afirma que 33% dos mineiros compareceram ao trabalho nesta terça-feira. Enquanto isso, familiares ainda buscam por desaparecidos, sem saber se estão entre os trabalhadores mortos, entre os 250 presos ou entre os 78 feridos em tratamento em hospitais.

O movimento grevista, que pede melhores salários e condições de trabalho, paralisou a produção da mina. A companhia é a terceira maior produtora de platina do mundo. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
África do Sulgrevemina

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.