Mineiros estão bem de saúde e poderão se expor à luz ainda nesta quinta

Depois de quase 70 dias confinados, mineradores apresentam lesões oculares insignificantes

estadão.com.br

14 de outubro de 2010 | 10h40

Luiz Urzua, último dos mineiros, é resgatado.

 

COPIAPÓ - Apresentando bom estado de saúde, os 33 mineiros resgatados na quarta-feira do fundo de uma jazida no norte do Chile amanheceram bem dispostos e podem voltar a se expor em ambientes claros ainda nesta quinta-feira, 14, informou um médico do hospital para onde foram levados após o salvamento.

 

Veja também:

blog Enviada especial: A emoção do parto dos mineiros

blog Veja no blog como foi a operação

mais imagens Confira as fotos do local

linkSaiba quem são os mineiros

linkImagem do Chile se fortalece com o resgate

linkResgate custou US$ 22 milhões

especialESPECIAL: Como é feito o resgate

 

O grupo esperava alegre pela visita do presidente chileno, Sebastián Piñera, para seguir comemorando o resgate. "A missão San Lorenzo foi completada com êxito, nossos mineiros mineiros estão bem no hospital, os 33", disse o ministro da Saúde, Jaime Manalich.

 

Segundo os relatórios médicos, foi registrado apenas um caso de saúde fragilizadas. Um dos operários de mais idade sofria de silicose e apresentou pneumonia aguda, mas ambas as situações já foram controladas pela equipe médica. Dois ou três mineiros podem receber alta no período da tarde.

 

Outra preocupação dos médicos era a visão dos mineiros, desacostumada à luz. Mas segundo Luis Salinas, oftalmólogo que supervisiona as condições dos mineiros, a recuperação é boa. "Como foi previsto, os mineiros apresentaram um fenômeno de irritação leve em seus olhos devido ao local onde ficaram presos. Não apresentaram olhos vermelhos ou complicações mais graves, os problemas foram bastante discretos", disse Salinas ao jornal chileno La Nación. Segundo o médico, os pequenos inconvenientes não devem durar mais que 24 horas e os mineiros poderão se expor à luz ainda nesta quinta.

 

"É importante destacar que eles nunca estiveram na escuridão completa, tinham luz artificial e lanternas que permitiam que eles lessem, escrevessem e até desenhassem. Por isso os danos foram mínimos, praticamente insignificantes", disse Salinas, que apenas administra colírio nos 33 heróis do Chile. Ao deixar a cápsula de resgate, todos usavam óculos especiais que bloqueiam 100% dos raios ultravioletas para proteger a visão de danos.

 

O subdiretor médico do hospital de Copiapó para onde eles foram transferidos, Jorge Montes, afirmou que "a maioria dos mineiros se comportaram muito bem do ponto de vista médico". O profissional confirmou ainda que os operários estão recebendo supervisão psicológica, e muitos deles "evoluíram perfeitamente bem". "A situação que se tem sobre o estado de saúde dos 33 mineiros é bastante auspiciosa", completou.

 

O esquema original prevê que os mineiros permaneçam no hospital para realizar exames e outros procedimentos - que incluem até cirurgia dental, mas as autoridades não descartaram que eles deixem o centro médico antes do previsto devido Às boas condições em que se encontram.

 

Com informações das agências Reuters e Ansa

Tudo o que sabemos sobre:
Chilemineirosresgate

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.