Mineiros soterrados há 17 dias estão vivos, diz presidente do Chile

Trabalhadores enviaram bilhete por meio de sonda; resgate pode durar meses.

BBC Brasil, BBC

22 de agosto de 2010 | 21h03

O presidente do Chile, Sebastián Piñera, anunciou neste domingo que 33 mineiros que estão há 17 dias soterrados em uma mina de cobre e ouro próxima à cidade de Copiapó, no norte do país, estão vivos.

O anúncio foi feito depois que uma sonda perfuradora que foi enviada para o interior da mina pelas equipes de resgate ter voltado com um bilhete onde os mineiros afirmaram estarem bem.

"Estamos bem, em um refúgio, os 33", diz o bilhete.

O acidente ocorreu no último dia 5 de agosto, quando os mineiros trabalhavam a uma profundidade de cerca de 700 metros e uma rocha que estava acima deles desabou.

Até este domingo, as vítimas ainda não haviam feito contato com as equipes de resgate e havia pouca esperança de que os trabalhadores pudessem estar vivos.

O presidente chileno, que visitou o local onde fica a mina neste domingo, mostrou o bilhete para as câmeras de televisão comemorando.

"Isto (o bilhete) saiu hoje das entranhas da montanha, do lugar mais profundo desta mina e a mensagem de nossos mineiros é que eles estão vivos, que estão unidos, e que estão esperando para ver a luz do dia a abraçar suas famílias", disse Piñera.

"Pode levar meses para tirá-los de lá. Vai levar tempo, mas não importa quanto tempo levar, teremos um final feliz", disse Piñera.

Imagens

Pouco depois, em entrevista à emissora de rádio chilena Bío-Bío, o presidente chileno afirmou que uma câmera que foi enviada com uma sonda para o interior da mina teria captado imagens dos mineiros.

Segundo Piñera, a câmera teria filmado nove mineiros que aparentavam estar em boas condições de saúde.

De acordo com o engenheiro André Sougarret, que coordena os trabalhos de resgate, nas próximas horas uma sonda possibilitará a comunicação com os mineiros. Além disso, será instalado um sistema para permitir que água e alimentos sejam enviados às vítimas.

Sougarret, no entanto, afirmou que os trabalhos de resgate podem durar mais quatro meses.

No último sábado, parentes dos mineiros soterrados haviam acusado as autoridades chilenas de não fazerem o bastante para resgatá-los.

Uma das principais reclamações era de que as autoridades continuavam insistindo em usar sondas para localizar os mineiros, no lugar de cavar túneis pelos quais eles poderiam ser resgatados.

Alguns dos parentes das vítimas estão acampados do lado de fora da mina desde o dia do acidente.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.