Siphiwe Sibeko/Reuters
Siphiwe Sibeko/Reuters

Mineiros sul-africanos em greve rejeitam proposta

Ministro da Justiça afirmou que forças de segurança vão reprimir manifestações dos trabalhadores armados

AE, Agência Estado

14 de setembro de 2012 | 09h57

JOHANESBURGO - O governo da África do Sul e os mineiros em greve endureceram suas posições nesta sexta-feira, 14. Os grevistas rejeitaram o aumento oferecido pela Lonmin, que foi bem abaixo das exigências. Já o ministro da Justiça, Jeff Radebe, alertou que as forças de segurança vão reprimir as manifestações diárias de trabalhadores armados com machetes, lanças e bastões.

Veja também:

link Greve dos mineiros se espalha pela África do Sul

link África do Sul liberta mais 102 mineiros acusados de matar colegas

A violenta greve na mina de platina de propriedade da Lonmin, a terceira maior produtora de platina do mundo, até agora deixou 45 mortos e espalhou-se para duas outras minas. Os mineiros conclamam seus colegas em todo país a juntarem-se à paralisação, colocando em risco o futuro da maior indústria da África do Sul.

O grevistas rejeitaram aumento oferecido de 900 rands ($ 112), que elevaria seu salário mensal para 5,5 mil rands ($ 688). As negociações devem continuar nesta sexta-feira. Os trabalhadores exigem salário de 12,5 mil rands ($ 1,5 mil).

Com AP

Tudo o que sabemos sobre:
África do Sulmineirosgreve

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.