Mineradora Pike River ignorou alertas antes de acidente

A mineradora de carvão neozelandesa Pike River ignorou 21 diferentes alertas sobre acúmulo de gás metano antes da ocorrência de uma explosão subterrânea que causou a morte de 29 trabalhadores seus há dois anos, segundo o relatório de uma investigação divulgado hoje.

AE, Agência Estado

05 de novembro de 2012 | 10h57

O relatório, resultado de 11 semanas de averiguação, aponta amplos problemas de seguranças em locais de trabalho na Nova Zelândia e afirma que a Pike River expôs seus funcionários a riscos inaceitáveis em seus esforços para atingir metas financeiras.

"A companhia falhou totalmente na proteção de seus trabalhadores", comentou o primeiro-ministro da Nova Zelândia, John Key.

A ministra do trabalho do país, Kate Wilkinson, renunciou ao cargo após a divulgação do documento, dizendo que essa é a coisa honrosa a fazer diante do fato de que a tragédia ocorreu durante sua gestão. Kate, no entanto, pretende manter outras responsabilidades no governo.

Na época do acidente, a Nova Zelândia contava com apenas dois inspetores que não tinham como lidar com o excesso de trabalho, de acordo com o relatório.

O documento, elaborado pela Comissão Real neozelandesa, recomendou a criação de uma agência para lidar unicamente com questões de saúde e segurança no ambiente de trabalho e fez uma série de sugestões para fortalecer as atividades de inspeção em minas. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Nova Zelândiamineradora

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.