Minerais radioativos foram jogados em rio do Congo, diz governo

O governo da RepúblicaDemocrática do Congo iniciou uma investigação sobre o supostodespejo de 18 toneladas de material altamente radioativo em umrio da Província de Katanga (sudeste), afirmaram autoridades naquarta-feira. O material, incluindo 17 toneladas de minério de cobre comum nível de radioatividade até 50 vezes acima do tolerável, foiapreendido no mês passado na cidade mineradora de Likasi, nosul de Katanga, quando estava prestes a ser exportado. Na semana passada, as autoridades determinaram que omaterial fosse colocado em uma mina de urânio abandonada. Masos funcionários encarregados do transporte teriam jogado osminérios de uma ponte localizada a apenas 10 quilômetros deLikasi, uma cidade com mais de 300 mil habitantes.Os resíduos de minério encontrados na ponte e nas margens dorio Mura apresentaram um nível de radioatividade cerca de 33vezes acima do limite de segurança imposto pelo Congo. "Se essa informação for verdadeira, a população local estácorrendo um grande risco", afirmou à Reuters o ministro do MeioAmbiente da República Democrática do Congo, Didace Pembe. Segundo um relatório inicial da Prefeitura de Likasi, as 17toneladas de minério de cobre pertenciam à empresa chinesaMagma-Lubumbashi. E 1,4 tonelada de cobre e cobalto que tambémdeveria ser armazenada pertencia à Chemaf, uma mineradora doCongo, e a Louis Kiyombo, um empresário da área de mineração. O caminhão com o material nunca chegou à mina desativada. "A estrada estava bloqueada. E já que os funcionários nãoconseguiram passar, decidiram entre si jogar o material norio", afirmou o ministro da Minas de Katanga, Bartelemy MumbaGama. "Acho que agiram assim sem ter consciência da gravidadedesse ato."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.