Ministério do Interior da Síria nega existência de vala comum em Deraa

Moradores haviam encontrado vala com pelo menos 20 corpos, segundo rede Al-Jazira

Efe

17 de maio de 2011 | 08h52

CAIRO - O Ministério do Interior sírio negou nesta terça-feira, 17, a existência de uma vala comum na localidade meridional de Deraa, epicentro dos protestos na Síria, como denunciou ontem uma organização opositora.

 

Veja também:

blog GUSTAVO CHACRA: Levantes não seguem linha sectária

especialInfográfico:  A revolta que abalou o Oriente Médio

mais imagens Galeria de fotos: Veja imagens dos protestos na região

 

Em uma nota urgente na televisão estatal síria, o ministério afirmou que "as informações sobre a vala comum são falsas e acontecem em meio a uma campanha de incitação".

 

A Organização Nacional para os Direitos Humanos na Síria denunciou ontem em comunicado a descoberta de uma vala comum em Deraa, com um número não determinado de corpos.

 

Além disso, a organização indicou que as autoridades cercaram o lugar e proibiram a entrega dos restos mortais aos familiares.

 

Por sua parte, a rede opositora Sham postou nesta terça-feira em sua página no Facebook dois vídeos com supostas imagens da vala comum em Deraa onde aparecia o cadáver de uma pessoa, cuja autenticidade não pôde ser verificada.

 

A rede "Al-Jazira" informou hoje na página de sua versão em inglês que, segundo testemunhas, foram encontrados pelo menos 20 corpos na fossa, dos quais vários pertenciam a uma mesma família, e que 13 deles já haviam sido retirados do local.

 

A repressão dos protestos políticos, que começaram em meados de março, causou até hoje a morte de 766 civis e 125 militares e policiais, segundo a ONG Observatório Sírio para os Direitos Humanos.

 

Leia mais:

link Vala comum é descoberta na cidade síria de Deraa

link Israel e Líbano trocam acusações na ONU por incidente na fronteira

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.