Claudio Cruz/AFP
Claudio Cruz/AFP

Ministério Público da Bolívia acusa Evo Morales de terrorismo e pede prisão preventiva

Exilado na Argentina, ex-presidente é investigado por ligação telefônica em que teria estimulado o bloqueio de cidades durante manifestações no ano passado

Redação, O Estado de S.Paulo

06 de julho de 2020 | 18h23

O Ministério Público boliviano emitiu nesta segunda-feira, 6, uma acusação formal por supostos crimes de terrorismo contra o ex-presidente do país, Evo Morales, que está na Argentina, solicitando também sua detenção preventiva.

Morales é investigado no caso "Audio Case", por uma gravação telefônica em que uma voz atribuída ao ex-presidente pede o bloqueio de cidades durante o conflito político e social que atravessou o país entre outubro e novembro do ano passado.

A imputação por supostos crimes terroristas e financiamento do terrorismo é baseada em uma conversa por telefone com o líder plantador de coca Faustino Yucra.

"De acordo com as investigações, era evidente que o ex-chefe de Estado e o co-réu Faustino Yucra se comunicaram em 14 de novembro de 2019", afirmou o Ministério Público por meio de uma ntoa. "Aparentemente, nessa conversa, Morales teria instruído o líder a cometer atos ilegais". /EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.