Ministério Público venezuelano indicia juíza anti-Chávez

Depois de dois anos de investigações, o Ministério Público venezuelano apresentou ontem uma acusação formal contra a ex-juíza Mónica Fernández, acusada de ter ordenado, em abril de 2002, a detenção "ilegal" do então ministro do Interior e Justiça, Ramón Rodríguez Chacín - um aliado do presidente Hugo Chávez. A prisão ocorreu durante o golpe que afastou Chávez do poder por 48 horas. Na época, Chacín foi acusado de porte ilegal de armas de guerra. Mônica, uma dura crítica do presidente, deverá ser julgada pelos delitos de "privação ilegítima de liberdade" e "abuso de autoridade". Hoje ela dirige uma ONG na Venezuela.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.