Ministra alemã não vai renunciar após acusação de plágio

A ministra da Educação da Alemanha, Annette Schavan, disse que não vai renunciar, mesmo depois de uma universidade ter cassado seu título de doutorado por causa de plágio. Ela prometeu também recorrer da decisão.

AE, Agência Estado

06 de fevereiro de 2013 | 10h29

Schavan é a segunda integrante do gabinete da chanceler Angela Merkel a perder um doutorado por causa de plágio. O ex-ministro da Defesa, Karl-Theodor zu Guttenberg, renunciou em 2011 após o anúncio de que ele copiou grande parte de sua tese.

Políticos de oposição dizem que Schavan está numa situação insustentável, em razão do cargo que ocupa, e deve renunciar.

A Universidade Heinrich Heine, de Duesseldorf, decidiu por voto, na terça-feira, retirar o título de doutora de Schavan após uma revisão completa de suas tese, que fora apresentada em 1980, após acusações de plágio feitas por um blogueiro anônimo.

Em declarações feitas durante uma viajem à África do Sul, nesta quarta-feira, Schavan disse que "não vai aceitar" a decisão da escola e vai abrir uma ação legal contra a instituição. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Alemanhaministraplágio

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.