Ministra britânica renuncia criticando Blair

Uma ministra que ameaçava renunciar se a Grã-Bretanha se envolvesse na guerra contra o Iraque pediu demissão. Furiosa, ela acusou o primeiro-ministro Tony Blair de não cumprir seu compromisso de conceder um papel central à Organização das Nações Unidas na reconstrução do país.A secretária de Desenvolvimento Internacional, Clare Short, qualificou como "totalmente desonroso" o apoio britânico a uma proposta de resolução no Conselho de Segurança (CS) da ONU que prevê uma participação limitada da entidade no período de pós-guerra no Iraque. "Não posso defender algo assim. Isso é errado de acordo com a lei internacional e também para a reconstução do Iraque, além de ser o rompimento de uma promessa feita a mim pelo primeiro-ministro", disse ela em entrevista à BBC.Num discurso de renúncia proferido no Parlamento, Short comentou que o legado de Blair está em risco. "Ele conseguiu grandes coisas desde 1997, mas, paradoxalmente, corre o risco de destruir seu legado na medida em que se torna mais obcecado por um lugar na história." Ela disse ainda que Estados Unidos e Grã-Bretanha estão repetindo os mesmos erros de antes da guerra e ela não poderia apoiar a proposta de resolução que limita o papel da ONU no Iraque.E fez um alerta: "Creio que o Reino Unido está cometendo um grave erro ao encobrir os erros dos Estados Unidos. Ao contrário disso, deveria ajudar um velho amigo que está muito ferido e furioso com os atentados de 11 de setembro de 2001 a obedecer à lei internacional e aceitar a autoridade das Nações Unidas. Sozinho, o poder americano é incapaz de tornar os Estados Unidos mais seguros."Muitos ficaram surpresos com o fato de Short, uma destacada veterana no governo, ter ficado tanto tempo no cargo depois de ter dito pouco antes do início da guerra que a postura de Blair com relação à crise iraquiana era "totalmente irresponsável". Veja o especial :

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.