Ministra da Austrália quer mais poder dos EUA na Ásia

A Ministra de Relações Exteriores da Austrália, Julie Bishop, pediu aos EUA para exercerem mais influência na Ásia, de modo a conter a crescente instabilidade no Mar do Sul da China.

AE, Agência Estado

30 Maio 2014 | 04h53

Em entrevista ao Wall Street Journal, às margens de uma conferência com foco na China, Bishop afirmou que a escalada na tensão entre Pequim e seus vizinhos, incluindo Japão, Filipinas e Vietnã, é uma preocupação crescente. "Nós queremos ver mais liderança dos EUA na região, não menos", disse. "Nós condenamos ações unilaterais e coercivas."

Nas últimas semanas, embarcações da China e do Vietnã têm entrado em conflito no Mar do Sul da China. Uma estatal chinesa enviou no início do mês uma sonda para exploração de petróleo em uma área que os vietnamitas consideram como parte de seu território. No domingo, China e Japão também trocaram acusações após duas aeronaves dos países quase colidirem.

Bishop disse que a China pode escolher um dos dois possíveis cenários: se integrar pacificamente na comunidade global, em linha com as declarações do presidente Xi Jinping, ou se tornar um país marcado por conflitos internos e externos, com uma crescente insegurança regional por conta das intenções chinesas.

Há tempos a Austrália é um aliado estratégico dos EUA e, mais recentemente, tem tentado ampliar as relações comerciais com o Japão.

Bishop ainda declarou ser prematuro concluir que a China dominará o século, dado que há outros lugares com elevado crescimento, como a Índia e a África. Ela também projetou que os EUA continuarão como um "formidável" contraponto ao poder de Pequim. Fonte: Dow Jones Newswires.

Mais conteúdo sobre:
Austrália china eu

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.