REUTERS/Christian Hartmann
REUTERS/Christian Hartmann

Ministra da Justiça da França se demite por discordar de medida antiterror do governo

Christiane Taubira manifestou profunda reserva em relação à reforma constitucional que permitirá que alguns condenados por terrorismo tenham cassada a cidadania francesa; texto começou a ser discutido hoje

O Estado de S. Paulo

27 Janeiro 2016 | 14h47

PARIS - A ministra da Justiça da França, Christiane Taubira, uma esquerdista que frequentemente divergiu do governo, pediu demissão nesta quarta-feira, 27, tornando-se uma vítima da guinada à direita do presidente da França, François Hollande, em razão de temas da segurança nacional.

Christiane manifestou profunda reserva em relação à reforma constitucional que permitirá que alguns condenados por terrorismo tenham cassada a cidadania francesa. O Parlamento começou a analisar o texto da medida nesta quarta.

"Estou deixando o governo devido a uma séria divergência política", disse ela em entrevista coletiva. Em sua conta no Twitter, Christiane escreveu: "Às vezes, você fica em um lugar para resistir. Às vezes, resistir significa sair."

O gabinete de Hollande informou que Christiane será substituída por Jean-Jacques Urvoas, apontado como alguém que apoia mais Hollande e o primeiro-ministro Manuel Valls.

Nascida na Guiana Francesa em 2 de fevereiro de 1952, Christiane é bem conhecida por patrocinar uma lei no Parlamento para legalizar o casamento entre pessoas do mesmo sexo na França.

Embora o papel desempenhado por ela nesta grande mudança na política social seja reconhecido, ela era frequentemente acusada de defender uma abordagem mais branda nas questões de lei e de ordem do que outros no governo. Essa posição tornou-se mais problemática após os ataques realizados pelo Estado Islâmico em Paris no dia 13 de novembro e na repressão promovida pelas autoridades de segurança que se seguiu. / REUTERS 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.