Ministra da Justiça perde seu assento no Senado japonês

Com a perda, Keiko Chiba se transforma na vítima com o cargo mais alto dentro do Partido Democrático

Efe,

12 de julho de 2010 | 05h38

TÓQUIO - A ministra da Justiça do Japão, Keiko Chiba, perdeu sua cadeira no Senado nas eleições no domingo, 11, o que a transforma na vítima de mais alto cargo dentro do retrocesso do Partido Democrático (PD, governo) nessa casa.

Chiba, de 62 anos, uma advogada pró-direitos humanos e uma opositora da pena capital, não pôde revalidar sua cadeira do Senado pelo quinto mandato e o cedeu a seu rival do Partido Liberal-Democrata (PLD), Akio Koizumi, de 64 anos.

A ministra da Justiça é a única que perdeu sua ata de senadora entre os quatro membros do gabinete do primeiro-ministro, Naoto Kan, que lutavam por seu assento nas eleições parciais para a Câmara Alta.

Chiba, que se apresentava pela circunscrição eleitoral de Kanagawa, se mostrou decepcionada com o resultado e disse que "é a avaliação dada ao trabalho que fez", segundo a agência local Kyodo.

Tudo o que sabemos sobre:
Japão, Senado, ministra, assento

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.