Ministra da Saúde da Argentina renuncia ao cargo

A ministra da Saúde da Argentina, Graciela Ocaña, renunciou ao cargo, confirmou hoje o chefe de gabinete da Presidência do país, Sergio Massa. A saída dela já era esperada para hoje, um dia depois das eleições parlamentares, por seu desgaste dentro do governo. Ela será substituída pelo atual vice-governador da província de Tucumán, Juan Luis Manzur, que assumirá na quarta-feira.

AE, Agencia Estado

29 de junho de 2009 | 15h03

A ministra já havia pedido sua demissão há meses, mas a presidente Cristina Kirchner solicitou que ela ficasse até as eleições para não provocar ruídos na campanha governista. Graciela vinha trabalhando sem apoio da presidente e dos demais ministros nas tarefas de administrar as epidemias de dengue, durante o verão, e da Influenza A (H1N1) - mais conhecida como gripe suína -, surgida há cerca de dois meses.

Segundo o último boletim oficial da Organização Mundial da Saúde, a gripe suína já provocou 23 mortes no país e o contágio de 1.488 pessoas. Graciela queria declarar emergência sanitária na Argentina na semana passada, por causa do rápido avanço da nova gripe. No entanto, a medida foi vetada pela presidente para não prejudicar as eleições parlamentares que ocorreram ontem.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.