Ministro boliviano envolve multinacionais em complô

O ministro da Defesa da Bolívia, Walker San Miguel, confirmou nesta quarta-feira as denúncias de que um complô estaria sendo formado contra o presidente Evo Morales. Segundo San Miguel, empresas multinacionais e grupos políticos vinculados ao ex-presidente Jorge Quiroga seriam os responsáveis pelas investidas.Também nesta quarta-feira o presidente Morales ratificou suas denúncias e disse que "algumas empresas petroleiras" estariam por trás das ações. Segundo Morales, o complô contra ele teria sido denunciado há algumas semanas pelo presidente da Venezuela, Hugo Chávez.Na época, o venezuelano envolveu a Embaixada dos Estados Unidos em La Paz. No entanto, San Miguel declarou nesta quarta-feira que as revelações de Morales "não têm nada a ver" com as denúncias feitas por Chávez. Os informes foram recolhidos por "organismos de inteligências (bolivianos) e em nenhum caso apontam os Estados Unidos", afirmou o ministro da Defesa.Ele esclareceu que "não há provas contundentes" e que se trata de "indícios".De acordo com San Miguel tal complô "tentaria debilitar o presidente, afirmar que se trata de uma liderança efêmera e circunstancial e que o mandatário não tem habilidade política para governar".O ministro envolveu os deputados do Poder Democrático e Social (Podemos) do ex-presidente Jorge Quiroga (2001-02) nas ações conspiradoras.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.