Manuel Claure/Reuters
Manuel Claure/Reuters

Ministro boliviano pede ajuda a Israel para combater suposto 'terrorismo' de esquerda

Ministro do Interior disse que a polícia boliviana estava investigando radicais de esquerda, supostamente ligados a Maduro e que, segundo o governo, incentivaram rebeliões no país depois que o ex-presidente Evo renunciou

Redação, O Estado de S.Paulo

06 de dezembro de 2019 | 21h17

LA PAZ - O governo interino da Bolívia deseja que Israel ajude as autoridades locais a combater o “terrorismo” no país sul-americano, disse o ministro do Interior, Arturo Murillo, à agência Reuters nesta sexta-feira, 6, ao alegar conspirações do presidente venezuelano, Nicolás Maduro, e outros líderes de esquerda para desestabilizar governos regionais.

Sem fornecer detalhes, Murillo disse que a polícia boliviana estava investigando radicais de esquerda, supostamente ligados a Maduro e traficantes de drogas que, segundo o governo, incentivaram rebeliões sangrentas no país depois que o ex-presidente Evo Morales renunciou no mês passado.

Evo deveria ter concluído seu terceiro mandato em janeiro, mas teve de enfrentar semanas de protestos após uma eleição que ele venceu, mas que foi contestada por acusações de fraude eleitoral. Ele culpa sua queda por um golpe depois que as forças de segurança retiraram o apoio a ele.

O governo interino da presidente Jeanine Añez —que foi oposição a Evo e era a autoridade de mais alto escalão quando ele e seu vice-presidente fugiram para o México— tem invertido a política da Bolívia para a direita.

Para Entender

A luta de poder na Bolívia: Jeanine Áñez no gabinete contra Evo Morales exilado no México

Presidente interina precisa obter reconhecimento, organizar eleições, além de estabilizar e reconstruir o país após semanas de protestos violentos; enquanto isso, ex-mandatário promete manter papel ativo na política boliviana

Ela tem fortalecido a posição da direita religiosa, retomando fortes laços com os Estados Unidos e Israel e enviado centenas de médicos cubanos e diplomatas venezuelanos de volta para seus países.

Seu governo também tem criado unidades policiais para realizar operações de combate ao terrorismo. Imagens de TV transmitidas pela mídia local mostraram policiais com máscaras faciais com armas em sessões de treinamento./REUTERS 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.