Ministro britânico ataca Bush antes de visita de Condoleezza

Um ministro do governo trabalhista de Tony Blair lançou um duro ataque à política externa do presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, algumas horas antes de a secretária de Estado americana, Condoleezza Rice, chegar ao Reino Unido em visita oficial.Condoleezza se reunirá nesta quinta-feira em Londres com o primeiro-ministro Tony Blair e a ministra de Relações Exteriores, Margaret Beckett. Ela vai falar sobre a sua recente viagem a Israel, territórios ocupados, Egito e Arábia Saudita, e tem a preocupação de discutir a implementação de um estado palestino.Em declarações à revista New Statement, o ministro para a Irlanda do Norte, Peter Hain, ataca Bush e também, indiretamente, a decisão de Blair de acompanhar a sua aventura "neoconservadora", que considera totalmente fracassada.O problema com a agenda "neocon", segundo Hain, é que "não serviu para elaborar uma política internacional coerente, fracassou onde foi experimentada e o eleitorado americano deu-lhe um pontapé em novembro".O ministro, que quer ser vice-presidente do Partido Trabalhista, reconhece que o governo de Blair enfrenta o problema de "manter uma relação de trabalho com a administração americana mais direitista da história".O político britânico considerou um erro catastrófico a decisão de eliminar da vida pública iraquiana todos os membros do partido Baath, de Saddam Hussein."É como supor que todos os que sobreviveram a Hitler na Alemanha eram nazistas", criticou Hain. Para ele, os EUA deveriam ter adotado o modelo de "verdade e reconciliação", aplicado na África do Sul, seu país natal.Hain opinou que a vitória democrata nas eleições para o Congresso dos Estados Unidos oferece a Gordon Brown, candidato a suceder Blair no governo, a oportunidade de abandonar os conservadores e se aliar aos democratas John Edwards, Barack Obama e Hillary Clinton."Nosso partido irmão é o democrata. Considero fantásticos os resultados das eleições americanas de novembro", afirmou Hain, numa clara crítica às amizades cultivadas pelo primeiro-ministro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.