Ministro chileno diz a mineiros presos que resgate pode durar meses

Ministro da Saúde afirmou que trabalhadores aceitaram que não serão resgatados antes do meio de setembro.

BBC Brasil, BBC

25 de agosto de 2010 | 20h09

O ministro da Saúde do Chile, Jaime Mañalich, disse aos 33 mineiros presos em uma mina que o resgate poderá durar meses.

"Pudemos dizer a eles, mais ou menos, e eles aceitaram, que não poderão ser resgatados antes das Festas da Independência (dia 18 de setembro) e que esperamos estar com eles antes do Natal", afirmou o ministro.

De acordo com o ministro, os mineiros aceitaram bem a notícia.

Em conversa telefônica com o presidente chileno, Sebastian Piñera, o líder dos mineiros, Luis Urzua, havia pedido para que seu resgate ocorresse até o dia 18 de setembro e disse que o grupo está "no inferno".

Piñera respondeu dizendo que não abandonará os homens e que o país todo está com eles.

As autoridades chilenas vinham tentando esconder dos 33 trabalhadores que o resgate poderá levar entre três e quatro meses. O ministro do Interior, Rodrigo Hinzpeter, havia dito nesta quarta-feira esperar que ninguém "cometa a imprudência de revelar aos homens este prazo".

"Pedimos aos familiares para serem cuidadosos em suas cartas. Será difícil, nós devemos dar a eles muita atenção, cuidados e apoio psicológico", disse o ministro. Não foi permitido ainda aos familiares entrarem em contato direto com os trabalhadores presos.

Estimativa

Uma perfuradora especial está sendo enviada para a mina, localizada perto da cidade de Copiapó, no norte do país, para tentar abrir uma passagem que permita a saída dos mineiros.

O prazo de meses foi estimado tendo em vista que será necessário perfurar um túnel de 66 centímetros de diâmetro para o resgate dos mineiros, que estão presos a 688 metros de distância da superfície.

Acredita-se que os trabalhadores perderam bastante peso durante os 17 dias em que sobreviveram com duas colheradas de atum, um gole de leite, uma mordida em um biscoito e um pouco de pêssego em conserva por pessoa a cada dois dias. Eles estão sendo alimentados com líquidos ricos em calorias até que se julgue que possam comer alimentos sólidos.

Está sendo criado um programa de atividades para os confinados, incluindo exercícios e atividades recreativas. Está previsto, por exemplo, que eles gravarão canções e vídeos com peças de teatro encenadas por eles.

O grupo está em um abrigo de 50 metros quadrados mas pode circular por uma área de cerca de dois quilômetros. Equipes de apoio esperam criar locais específicos para os homens desempenharem funções diferentes, como trabalho, lazer, banheiros e dormir.

No último final de semana equipes de resgate conseguiram perfurar três buracos de poucos centímetros até o abrigo. Um deles leva oxigênio, outro alimentos e o terceiro é usado para comunicação.

Os mineiros estão presos desde o dia 5 de agosto, quando o principal acesso ao túnel ruiu. Eles estão a quase 700 metros de profundidade, e, no abrigo onde estão, eles contam com dois bancos de madeira compridos.

Tanques de água, além de água contida em máquinas de perfuração e canais de ventilação ajudaram os homens a sobreviver, mas eles tinham pouca comida.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.