Ministro confirma 58 mortos em acidente de trens no Egito

Os moradores de Qalyoub, no Egito, viveram uma manhã de horror nesta segunda-feira após dois trens se chocarem, matando 58 pessoas e ferindo mais de 140. Calçados e roupas encharcadas de sangue eram vistos no local do acidente, e destroços de vagões de trem jaziam próximos a um milharal.Segundo o ministro da Saúde egípcio, Hatem El-Gabaly, o acidente ocorreu às 7h15 (1h15 em Brasília) entre um trem procedente da cidade nortista de Lardo e outro que esperava na estação Qalyoub, 20 quilômetros ao norte da capital do Egito. Segundo ele, dos mais de 140 feridos, quatro estão em estado grave.Ambos os trens seguiam para o sul e transportavam passageiros das cidades de Mansoura e Benha, localizadas no Delta do Nilo, para o Cairo. O trem de Mansoura viajava a pelo menos 80 quilômetros por hora quando a colisão ocorreu, após o maquinista não ter obedecido a um sinal de parada em um cruzamento de trens em Qalyoub, informaram fontes policiais. O motorista morreu e a locomotiva ficou destruída após ter se chocado com o outro trem.A defesa civil, a polícia e os militares trabalharam juntos durante todo o dia em busca de sobreviventes e de corpos entre os destroços dos vagões. "Carreguei muitas pessoas mortas (...), minhas próprias roupas estão encharcadas de sangue", disse Raslan Abdel-Aziz, membro das forças armadas.A maioria dos passageiros era composta de homens pobres com idade entre 20 e 50 anos. Em um país com cerca de 73 milhões de pessoas, em que quase a metade vive na pobreza, o barato serviço de transporte ferroviário é uma das únicas maneiras de viajar. Moradores próximos ao local do acidente deram água aos sobreviventes e lençóis para cobrir os mortos. O Egito tem um histórico de grandes acidentes ferroviários, que geralmente ocorrem devido a manutenção ruim dos equipamentos. Muitos desses acidentes ocorreram no Delta do Nilo. A maior tragédia ferroviária da história do Egito ocorreu em fevereiro de 2002, após o incêndio de um trem que cobria o trajeto entre Cairo e Luxor (sul), lotado de passageiros, e que deixou 363 mortos, segundo números oficiais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.