Ministro cristão condenado a 3 anos de prisão na Indonésia

Uma corte indonésia condenou hoje a três anos de prisão por porte ilegal de armas de fogo um ministro cristão na província de Sulawesi, duramente afetada por sangrentos combates entre comunidades muçulmanas e cristãs. Rinaldy Damanik, uma respeitada figura religiosa que fez campanha pela paz na região, sempre defendeu sua inocência. Diversos grupos cristãos dos Estados Unidos e de outros países fizeram campanha em seu favor."O réu Rinaldy Damanik é culpado pelo porte ilegal de sete armas de fabricação caseira e 144 salvas de munição", disse o juiz I. Nyoman Somanada à Corte Distrital de Palu antes dosentenciamento de Damanik. O religioso foi detido em 9 de setembro do ano passado depoisde a polícia ter encontrado as armas em seu carro quando ele ajudava vítimas a fugirem de um combate no distrito de Morowali, região central de Sulawesi.Damanik, de 44 anos, sorriu quando o juiz leu o veredicto e disse estar grato pelo fato de seu julgamento, iniciado em 3 de fevereiro, não ter desencadeado atos de violência. "Todo o povo sabe que não sou um criminoso", disse ele perante a corte antes de ser levado para a prisão.Johnson Panjaitan, advogado de Damanik, disse que seu cliente é vítima de uma conspiração política e que a polícia "manipulou as provas" do caso. Ele não entrou em detalhes.Damanik é um ativo crítico das forças de segurança, que alimentam o conflito ao dar apoio a combatentes de ambos os lados. A corrupção no sistema judiciário indonésio é notória. Segundo os críticos, é possível subornar promotores, juízes e advogados.Mais de mil pessoas já morreram em dois anos de choques entre muçulmanos e cristãos em Sulawesi. O conflito em Sulawesi é uma herança dos choques entre as mesmas comunidades religiosas iniciados em 2000 nas vizinhas Ilhas Molucas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.