Ministro da Alemanha confirma sumiço de alemães no Iraque

O ministro de Assuntos Exteriores alemão, Frank-Walter Steinmeier, confirmou nesta segunda-feira o desaparecimento de dois cidadãos alemães no Iraque e afirmou que não se pode excluir a possibilidade de um "seqüestro".Steinmeier fez tais declarações à imprensa alemã em Bruxelas, depois que vários meios de comunicação informaram na segunda-feira sobre o possível seqüestro.O ministro confirmou que os dois homens desapareceram na terça-feira e assinalou que desde então, "o Ministério de Exteriores estabeleceu um gabinete de crise encarregado de ver o que se pode fazer"."Esperamos que tenha um final feliz e fazemos todo o possível para que os dois cidadãos alemães possam retornar sãos para suas famílias", afirmou Steinmeier, que acrescentou que por enquanto não pode dar mais detalhes.As autoridades locais e o pessoal da Embaixada alemã em Bagdá "se mostram hiperativas" e foi determinado um embargo de informação, segundo um correspondente da segunda rede pública alemã ZDF.O jornal Berliner Morgenpost afirma também em sua edição de hoje, com base em informações dos serviços secretos, que os alemães podem ter sido seqüestrados em Bagdá, mas sem dar dados sobre sua identidade ou as circunstâncias do suposto rapto.Segundo a ZDF, ainda se encontram temporariamente no Iraque representantes de empresas alemãs, assim como colaboradores de numerosas companhias de segurança. Os seqüestrados poderiam ser também alemães de origem iraquiana.Nos últimos 15 meses, foram seqüestrados no Iraque a arqueóloga alemã Susanne Osthoff e os engenheiros René Bräunlich e Thomas Nitzschke, que foram posteriormente libertados sem sofrer lesões físicas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.