Ministro da Defesa de Israel acusa Hezbollah por atentado na Bulgária

Benjamin Netanyahu, primeiro-ministro do país, chegou a apontar o Irã como responsável pela ação

Agências Internacionais,

19 de julho de 2012 | 04h27

JERUSALÉM - O ministro da Defesa de Israel, Ehud Barak, disse nesta quinta-feira, 19, que o grupo libanês Hezbollah, patrocinado por terroristas iranianos, foi o responsável direto pelo o ataque a bomba mortal em um ônibus que transportava turistas israelenses na Bulgária na quarta-feira, 18. 

 

"Os executores imediatos são pessoas do Hezbollah, que naturalmente têm o patrocínio iraniano constante", disse Barak à Rádio Israel. Horas depois do ataque primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu disse que Teerã estava por trás do ataque e que "Israel vai reagir fortemente contra o terrorismo iraniano". Não houve reação imediata do Irã para a acusação israelense.

 

Ainda na quarta-feira, 18, o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, condenou "energicamente" o atentado cometido contra um ônibus de turistas israelenses na Bulgária, que causou pelo menos sete mortos e vários feridos. "O secretário-geral condena nos termos mais enérgicos o atentado contra um ônibus que levava turistas israelenses do aeroporto de Burgas, na Bulgária", disse o porta-voz de Ban, Martin Nesirky, em comunicado distribuído na sede central da ONU em Nova York.

 

O principal dirigente das Nações Unidas manifestou "suas condolências às vítimas e suas famílias, assim como aos governos e aos povos da Bulgária e de Israel", acrescentou o breve comunicado de Ban, que hoje estava em visita oficial à China e amanhã inicia uma viagem oficial à região dos Bálcãs.

 

Um ônibus com 47 turistas a bordo, procedentes de um voo de Israel, explodiu por volta das 17h30 locais (11h30 no horário de Brasília) quando se dispunha a abandonar o estacionamento do aeroporto de Burgas, uma cidade turística búlgara do Mar Negro muito popular entre os israelenses. O atentado causou sete mortos, segundo o ministro do Interior da Bulgária, Tsvetan Tsvetanov, e dezenas de feridos.

 

No momento da explosão, cerca 40 turistas se encontravam dentro do veículo e o fogo se alastrou a outros dois ônibus que estavam estacionados no aeroporto. O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, chegou a apontar o Irã como responsável pelo atentado. "Todos os sinais levam ao Irã", afirmou na ocasião Netanyahu, em comunicado no qual assinalou que "Israel reagirá com determinação perante o terrorismo iraniano".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.