Bernat Armangue/AP
Bernat Armangue/AP

Ministro da Defesa de Israel propõe retirada da Cisjordânia

Ehud Barak considera necessário 'passos concretos' para viabilizar o processo de paz com a Palestina

AE, Agência Estado

24 de setembro de 2012 | 19h12

TEl-AVIV - O ministro da Defesa de Israel, Ehud Barak, propôs nesta segunda-feira, 24, que Israel faça uma retirada militar "unilateral" da Cisjordânia se as negociações de paz com os palestinos permanecerem em impasse, afirmando serem necessários "passos concretos" para ressurgir o processo de paz. Em Israel, o assunto ficou em segundo plano, já que o foco está no programa nuclear iraniano.

Veja também:

link Israel e Palestina discutem desenvolver gás natural na costa de Gaza

link Palestinos querem reconhecimento como 'Estado observador' na ONU

Em entrevista ao diário Israel Hayom, Barak disse que o impasse com palestinos não poderá ser sustentado indefinidamente. "É melhor chegar a um acordo com os palestinos, mas se isso não acontecer, nós precisaremos tomar passos concretos para começar uma separação", ele disse. "Isso nos ajudará não apenas a lidarmos com os palestinos mas também com os outros países na região, com os europeus, com os Estados Unidos."

É improvável que a proposta de Barak seja implementada, pelo menos a curto prazo. O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, não tem mostrado nenhum interesse em concessões e sua coalizão de governo é comandada pela linha-dura. O escritório do premiê não quis comentar as declarações de Barak.

Atualmente, cerca de 2,5 milhões de palestinos vivem na Cisjordânia. O território foi ocupado na Guerra dos Seis Dias em 1967, bem como Jerusalém Oriental e a Faixa de Gaza. Em 2005, Israel realizou uma retirada unilateral da Faixa de Gaza.

Os israelenses que defendem a retirada citam os números e o fator demográfico como um motivo para deixar o território palestino. Até mesmo Netanyahu, que é do partido Likud (direita e nacionalista) levantou preocupações com a questão demográfica, mas, na prática, tem apoiado a construção e expansão dos assentamentos.

"Chegou a hora de tomarmos decisões não apenas na ideologia ou nos sentimentos, mas a partir de uma leitura fria da realidade", afirmou Barak. Ele defende que Israel não se retire unilateralmente de toda a Cisjordânia, mas mantenha "bolsões" de assentamentos com população mais adensada e ao lado de Israel como parte do território israelense. Barak também disse que Israel precisará manter alguma presença militar na fronteira com a Jordânia, mesmo após uma eventual retirada da Cisjordânia.

Com AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.