Ministro da Economia japonês pede a colegas que comprem ações

Num gesto que vem sendo atribuído ao desespero com a falta de sinais de recuperação do mercado japonês, o ministro da Economia do país, Heizo Takenaka, conclamou todos os seus colegas no poder e o primeiro-ministro do país a comprar ações. Segundo a BBC Brasil Takenaka informou que investiria em tracker funds (fundos que acompanham um índice representativo do mercado) e que "definitivamente" iria ganhar dinheiro. "Com o objetivo de estimular investidores individuais a comprar ações, é importante que os líderes políticos também comprem ações", disse Takenaka. "Quero que tomemos a liderança", acrescentou. Apoio O índice Nikkei da Bolsa de Tóquio tem andado perto do seu ponto mais baixo dos últimos 20 anos e caiu novamente nesta sexta-feira, depois de uma reação inicialmente positiva às declarações do ministro. Takenaka disse esperar que o primeiro-ministro do país, Junichiro Koizumi, também acompanhe a sua iniciativa e investa em tracker funds. Mas o secretário-chefe do Gabinete, Yasuo Fukuda, disse que Koizumi não dissera se concordava com a iniciativa durante a reunião do gabinete, na sexta-feira. Já o próprio Fukuda disse que compraria ações e tentou animar os mercados. "Estamos adotando políticas que, sem dúvida, vão revigorar a economia japonesa no futuro", disse o secretário. "Então, o momento de comprar é agora", completou. Economia dos EUA A economia japonesa vem entrando e saindo da recessão nos últimos anos, sem entrar definitivamente numa rota de recuperação. No ano passado, chegou a dar sinais de retomada do crescimento puxada pelas exportações. No entanto, a queda de demanda nos Estados Unidos e o medo de uma guerra no Iraque e seus efeitos sobre a economia mundial vêm afetando as perspectivas para o desempenho do país. Na sexta-feira, o índice Nikkei fechou em queda de 0,34%. Os investidores estavam cautelosos, à espera da divulgação do relatório de emprego nos Estados Unidos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.