Ministro de Informação da Tailândia renuncia

O primeiro-ministro da Tailândia, Thaksin Shinawatra, submetido a uma forte pressão para que renuncie à chefia do Governo, aceitou hoje a renúncia de seu ministro de Informação e Tecnologia, Soraat Klimpratum. A saída de Klimpratum ocorre depois da renúncia, na sexta-feira, da então ministra da Cultura, Uraiwan Thienthong, alegando que essa era sua forma de "preservar a ética política". Klimpratum e Thienthong são membros de uma facção do partido governante Thai Rak Thai, liderada por Snoh Thienthong, um dos mais destacados assessores de Shinawatra, que fundou e dirige a organização política que ocupa o governo. As renúncias de membros do Gabinete ocorrem em meio à crescente pressão política exercida por um amplo espectro de grupos civis, intelectuais e meios de comunicação para forçar o primeiro-ministro a renunciar, por suposta corrupção e abuso de poder. Cerca de 60.000 pessoas participaram neste sábado da maior manifestação contra Shinawatra desde que, em janeiro de 2001, ganhou as eleições gerais. No ano passado, Shinawatra conseguiu a reeleição para um segundo mandato de quatro anos. Os adversários intensificaram sua campanha contra o multimilionário governante no final do mês passado, depois que sua família recebeu US$ 1,9 bilhão pela venda, livre de impostos, do conglomerado empresarial Shin Corporation, fundado há mais de duas décadas por Shinawatra.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.