Ministro de Israel diz que palestinos são "parasitas"

O controvertido ministro do Turismo de Israel, Rehavam Zeevi, referiu-se aos palestinos que trabalham e vivem ilegalmente em Israel como "parasitas" e "um câncer". O ministro lidera o Partido da União Nacional, de extrema-direita, e defende a expulsão dos árabes que vivem em áreas israelenses.De seu histórico, constam algumas declarações depreciativas contra os palestinos. Sua inclusão na coalizão de centro-direita do primeiro-ministro Ariel Sharon gerou muitos protestos no início do ano.Em entrevista concedida à Rádio do Exército de Israel hoje, Zeevi acusou cerca de 180.000 palestinos de viverem ilegalmente em Israel. "Eles vieram para cá tentar obter cidadania porque estão interessados nos pagamentos de pensão e seguro social", acusou Zeevi. "Devemos nos livrar daqueles que não são cidadãos israelenses da mesma forma que nos livramos de parasitas. Temos de impedir que este câncer se prolifere dentro de nós."Ontem, Zeevi abandonou enfurecido uma reunião de gabinete depois de Sharon ter-se recusado a debater um encontro do chanceler israelense Shimon Peres com o líder palestino Yasser Arafat durante o fim de semana em Lisboa. Zeevi opõe-se firmemente às conversações com o presidente da Autoridade Palestina.Dos 6 milhões de cidadãos israelenses, 1 milhão são árabes. Além disso, muitos palestinos da Cisjordânia e da Faixa de Gaza viajam para Israel em busca de empregos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.