Ministro de Israel diz que sente ´ódio profundo´ por Arafat

O ministro da Justiça de Israel, Tommy Lapid, se recusou a expressar condolências ao povo palestino pela morte de Yasser Arafat. O ministro disse que sente "um ódio profundo por Arafat, que não é pessoal, pois ele causou a morte de milhares de israelenses e impediu um acordo de paz". O gabinete do primeiro-ministro de Israel, Ariel Sharon, informou que não divulgaria um comunicado especial sobre a morte do líder palestino Yasser Arafat. Alguns dias antes da morte de Arafat, Sharon determinou que somente alguns ministros poderiam se expressar sobre esse tema, entre eles Tommy Lapid.Shimon PeresO líder do Partido Trabalhista, Shimon Peres, disse que "não quer ferir os sentimentos dos palestinos", mas também evitou expressar condolências pela morte do líder palestino.Peres - que junto com Yasser Arafat e o primeiro-ministro israelense Yitzhak Rabin recebeu o prêmio Nobel da Paz - declarou que o líder palestino cometeu erros, mas também acertos. "Quando recorreu ao terrorismo, Arafat errou, mas quando tomou o caminho do diálogo. Arafat teve êxitos", afirmou Peres.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.