Ministro do CNT garante que 'maior preocupação é a segurança', e não Kadafi

Paradeiro de ditador líbio ainda é desconhecido; prisioneiros estão sendo bem tratados, assegura

Efe

26 de agosto de 2011 | 13h10

TRÍPOLI - O ministro da Justiça do Conselho Nacional de Transição líbio (CNT), Mohammed Alagy, afirmou nesta sexta-feira, 26, que "a maior preocupação é controlar a segurança" e não o coronel Muamar Kadafi, cujo paradeiro continua sendo uma incógnita.

 

Veja também:

AO VIVO: Acompanhe as últimas infoormações sobre a Líbia

TWITTER: Leia e siga nossos enviados à região

OPINE: Onde se esconde Muamar Kadafi?

ESPECIAL: Quatro décadas de ditadura na Líbia

RADAR GLOBAL: Os mil e um nomes de Kadafi

ARQUIVO: ‘Os líbios deveriam chorar’, dizia Kadafi

VISÃO GLOBAL: A insustentável situação de Kadafi

HORÁRIO em Trípoli

 

"Somos a autoridade legal; Kadafi não é nossa primeira preocupação, mas sim controlar a segurança do país", disse Alagy em suas primeiras declarações à imprensa a sua chegada a Trípoli.

 

 

O paradeiro do coronel Kadafi continua sendo fonte de rumores e especulações, incógnita à qual se soma o destino de seus dois filhos: Hamis, que cobriu a frente militar, e Saif Al Islam, que assumiu a cara midiática do regime.

 

Questionado pelas atrocidades denunciadas cometidas pelos rebeldes sobre os pró-Kadafi feitos prisioneiros, Alagy manifestou que estes "são bem tratados se respeitam seus direitos humanos".

 

Um do assessores do ministro explicou à imprensa que nestes momentos se centram na cidade de Sirte, "que em breve será uma cidade aberta". "O povo já sente a força", assinalou em referência aos habitantes de Sirte, a cidade natal de Kadafi.

 

O assessor tentou sair assim à passagem das especulações em torno da fidelidade e hostilidade dos habitantes de Sirte, a última cidade que os rebeldes resistem.

Tudo o que sabemos sobre:
CNTrebeldesKadafisegurançaLíbia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.