Ministro do Interior libanês renuncia após incidentes em Beirute

O ministro do Interior do Líbano, Hassan Saba, apresentou neste domingo sua renúncia ao Governo numa reunião extraordinária após os incidentes registrados em protestos contra a publicação na Europa de várias charges do profeta Maomé.Os incidentes ocorreram em Beirute, no bairro de Achrafieh, onde os manifestantes incendiaram o consulado da Dinamarca, atacaram igrejas, lojas e casas e destruíram carros.Em Copenhague, o Governo da Dinamarca convocou hoje um diálogo sobre a crise gerada pelas charges de Maomé e, embora tenha considerado "aterrorizadores" os ataques contra as sedes diplomáticas dinamarquesas na Síria e no Líbano, se opôs a sanções contra estes países.O ministro de Assuntos Exteriores da Dinamarca, Per Stig Moeller, disse hoje em entrevista coletiva que lembrou aos seus colegas sírio e libanês que a Convenção de Viena sobre Relações Consulares responsabiliza-os pela segurança de embaixadas e consulados. Além disso, pediu que diminuam a tensão, que aumentou nos últimos dias.Antes, em declarações à rádio pública "DR", o ministro tinha demonstrado seu medo de que a situação ficasse fora de controle e houvesse vítimas humanas."O único caminho é o diálogo. Só os extremistas e os fanáticos se beneficiam com esta situação. Precisamos de generosidade e não de animosidade", acrescentou Moeller na entrevista coletiva.O ministro ressaltou que o caso tinha superado a polêmica sobre as charges e se tornado um conflito entre o mundo ocidental e o islâmico.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.