Ministro é ferido em ataque suicida no Sri Lanka

Um militante suicida atacou uma procissão islâmica no sul do Sri Lanka hoje, provocando a morte de 14 pessoas e ferindo 41, entre elas um ministro de governo, informaram autoridades locais. O governo cingalês atribuiu o ataque ao Exército de Libertação dos Tigres do Tâmil Eelam (LTTE), sugerindo que o grupo estaria agindo em meio a uma ofensiva do Exército depois de mais de um quarto de século de guerra civil. A aparente intenção do homem-bomba era atacar seis ministros que participavam da procissão até uma mesquita na cidade de Akuressa para celebrar o Mawlid, feriado islâmico que marca o aniversário do profeta Maomé.Imagens feitas pela televisão local mostram a procissão transcorrendo tranquilamente até que a explosão faz com que as pessoas saiam correndo em todas as direções. Policiais e populares foram vistos socorrendo o ministro de Correios e Telecomunicações Mahinda Wijesekara e o colocando dentro de um veículo utilitário com o corpo todo ensanguentado. Aruna Jayasekera, um médico do hospital de Matara, nas proximidades de Akuressa, disse que Wijesekara está em condições críticas de saúde e foi levado a Colombo, onde seria submetido a uma cirurgia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.