Caroline Paillez/Reuters
Caroline Paillez/Reuters

Ministro francês defende topless após queixa de mulheres

Gérald Darmanin diz  que guardas se equivocaram ao pedir que elas se cobrissem em Sainte-Marie la Mer

Redação, O Estado de S.Paulo

26 de agosto de 2020 | 05h00

PARIS - O ministro do Interior da França, Gérald Darmanin, defendeu ontem o direito de as mulheres fazerem topless nas praias do país. A intervenção de Darmanin foi feita após três amigas terem reclamado que foram obrigadas por guardas a cobrir os seios na cidade de Sainte-Marie la Mer, na semana passada.

De acordo com o relato, os guardas se aproximaram e pediram para que elas se vestissem, porque uma banhista que estava com seus dois filhos disse ter ficado constrangida com a nudez parcial das três. Duas concordaram, mas a terceira resolveu reivindicar seu direito de fazer topless e postou a reclamação no Facebook. Muitas pessoas manifestaram nas redes sociais seu apoio à mulher que insistiu em fazer topless.

“Houve um erro no alerta feito para as mulheres sobre as roupas”, escreveu Darmanin no Twitter. “A liberdade é algo precioso. E é normal que as autoridades admitam seus erros”, afirmou o ministro, referindo-se à abordagem dos guardas. 

Edmond Jorda, prefeito de Sainte-Marie la Mer, foi obrigado a se explicar. “Não existe legislação municipal que proíba a prática nas nossas praias. A Câmara Municipal e o prefeito acreditam que o fato de uma mulher bronzear os seios não constitui atentado ao pudor ou violação dos bons costumes. Na verdade, ninguém nunca orientou a polícia sobre isso.”

Críticas

De fato, não existe nenhuma lei que proíba o topless na França. A prática não se enquadra na legislação que pune a exposição sexual com 1 ano de prisão e multa de € 15 mil (R$ 98 mil). No entanto, os prefeitos podem baixar normas que vetam a prática. É o caso da Paris-Plage, onde uma mulher de topless pode ter de pagar uma multa de € 38 (R$ 248).

A abordagem causou uma avalanche de críticas às autoridades na internet. “Sainte-Marie la Mer agora é a Arábia Saudita?”, questionou um usuário do Twitter, enquanto outros atacaram um “pudor” que nunca existiu na França.

De acordo com o jornal The Guardian, nem todas as mulheres francesas têm o hábito de ficar sem a parte de cima do biquíni na praia. Pesquisas mostram que as mulheres mais jovens estão cada vez mais preocupadas com o assédio sexual ou sentem vergonha de expor o corpo na praia.

De acordo com o jornal britânico, cerca de 20% das mulheres francesas com menos de 50 anos tomam banho de sol de topless, em comparação com os 28%, registrados há dez anos, e 43%, verificados em 1984 – segundo pesquisa do instituto Ifop. / REUTERS e AFP

 

Tudo o que sabemos sobre:
França [Europa]topless

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.