Ministro indiano renuncia após condenação por assassinato

O presidente da Índia, Abdul Kalam, aceitou nesta quarta-feira a renúncia do ministro do Carvão, Shibu Soren, declarado culpado de participar do assassinato, em 1994, de sua secretária pessoal, informou hoje a agência indiana "PTI". O ministro foi considerado culpado de contratar quatro homens para seqüestrar e assassinar a sua secretária, Shashinath Jha. Ela havia descoberto uma rede de subornos envolvendo Soren e pediu a ele uma parte do dinheiro. Soren, que até agora mantinha o cargo no gabinete de Manmohan Singh, apresentou sua renúncia imediatamente após receber a sentença. Ao chegar à prisão, o ex-ministro disse sentir uma forte dor no peito, e foi hospitalizado. Porém, seu estado não é grave, diz a agência, acrescentando que o juiz anunciará na quinta-feira a pena. A família da vítima teme represálias. "Precisamos de proteção. Não sabíamos do que essa gente era capaz", declarou à rede de televisão "NDTV" o irmão de Shashinath, Vijaynath Jha.

Agencia Estado,

29 Novembro 2006 | 08h02

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.