Ministro inglês sugere monitorar comportamento infantil

Crianças desde 3 anos de idade deveriam ser monitoradas para se detectar os primeiros sinais de comportamento criminoso, sugeriu o governo britânico. O ministro do Interior, David Blunkett, responsável pelo cumprimento das leis, disse que quanto antes se puder identificar os jovens de comportamento problemático, tanto mais depressa as autoridades poderão intervir.Blunkett pediu o monitoramento das escolas infantis, que recebem crianças até com 3 e 4 anos. "Precisamos identificar as reações comportamentais das crianças desde muito cedo, desde o momento em que a criança inicia sua educação na escola maternal", disse Blunkett, durante uma conferência sobre educação dos filhos na zona norte de Londres."A realidade é que, em muitas de nossos conjuntos habitacionais, em muitas de nossas comunidades carentes, um punhado desses jovens - cujo estilo de vida e cujo comportamento perturbam tanto o bem-estar dos outros - está criando grandes transtornos", acrescentou o ministro. "Em vez de tentar juntar os pedaços quando as coisas vão mal, faz muito mais sentido investir recursos na prevenção", disse ele.O governo do primeiro-ministro Tony Blair introduziu diversas medidas contra a criminalidade juvenil desde que foi eleito em 1997, inclusive controles eletrônicos e toques de recolher. Blunkett vem tentando reduzir a criminalidade juvenil nos últimos meses, depois uma série de reportagens da mídia sobre "desordens praticadas por adolescentes" e denunciou um grande aumento nos crimes de rua.Na terça-feira, o ministro propôs colocar jovens infratores a partir dos 10 anos de idade, em abrigos especiais onde serão vigiados de perto. Disse também que novas leis - permitindo que jovens de 12 anos ou mais sejam mantidos presos enquanto aguardam julgamento por certos crimes, como furto de carros ou roubo - entrarão em vigor em junho em Londres e outros nove locais de alta criminalidade, e serão estendidas a toda a Inglaterra até setembro.Antes da aprovação destas leis pelo Parlamento, no ano passado, menores de 16 anos não podiam ser encarcerados enquanto aguardavam julgamento, a não ser que fossem acusados de crimes mais graves. "Um dos maiores desafios que enfrentamos é como lidar com jovens infratores que acreditam que sua idade os torna intocáveis, que burlam as leis, zombam da polícia e deixam os tribunais depois do pagamento de fiança, livres para cometer novos delitos", disse Blunkett.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.