Ministro israelense prevê nova guerra contra o Hezbollah

O ministro de Infra-estrutura de Israel,Benjamin Ben Eliezer, general reformado e ex-chefe das Forças Armadas, afirmou que o Exército deve se preparar para uma nova guerra contra a milícia do Hezbollah no Líbano. "Quem acredita que o Exército libanês vai garantir a segurança de Israel deve estar tendo visões", declarou Ben Eliezer à rádio pública israelense. Ele insistiu na necessidade de preparar asForças Armadas para um novo confronto. Na sua opinião, o conflito pode explodir "nos próximos meses". Ben Eliezer acha necessário preparar, sobretudo, as forças de terra, após os erros das autoridades e de comandantes na guerra com os milicianos islâmicos, que terminou dia 14 de agosto com umArmistício. O cessar-fogo foi determinado pelo Conselho de Segurança da ONU, que vai postar uma força internacional de 15 mil homens para cooperar com o Exército libanês e impor a soberania do governo nosul do país, e ao longo dos 110 quilômetros da fronteira com Israel. "Nós não podemos confiar no Exército libanês para impedir os ataques do Hezbollah", disse Ben Eliezer, acrescentando que "é precisoouvir o que diz a milícia". O líder do Hezbollah Hassan Nasrallah, que exaltou "a vitória" naguerra de 34 dias com Israel, disse que seus milicianos contam ainda com 20 mil foguetes. Durante a guerra, os milicianos dispararam cerca de 4 mil mísseis contra a população civil do norte de Israel. Ben Eliezer, do Partido Trabalhista, também defendeu que o governo do primeiro-ministro Ehud Olmert "prepare a retaguarda", emalusão à população civil. Nasrallah sustenta que Israel não se retirou totalmente do Líbano, e que ainda controla parte da aldeia de Ghajar, dividida desde o ano 2000 pela fronteira fixada pela ONU. Os israelenses, por sua vez, alegam que sairão do local após um acordo com o Exército libanês e a Força Interina da ONU (Finul) para coordenar as operações em caso de incidentes, como o contrabandode armas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.