Ministro israelense quer libertação de líder do Fatah

Os conselhos e decisões de Barghouti são seguidos fielmente pela população

Agencia Estado

21 Junho 2007 | 13h05

Gideon Ezra, o ministro do Meio Ambiente de Israel, aconselhou nesta terça-feira, 18, o primeiro-ministro Ehud Olmert a libertar o popular dirigente palestino Marwan Barghouti.A liberdade de Barghouti seria uma mostra de apoio ao novo governo palestino e ao presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Mahmoud Abbas. "É preciso ajudar Abbas com líderes que tenham a capacidade de dirigir o povo palestino, e não deixar que ele fique nas mãos daqueles que fracassaram em Gaza", declarou Ezra à rádio pública israelense.Barghouti, de 49 anos e ex-secretário-geral do Fatah na Cisjordânia, foi detido por Israel em 2002, acusado de ser um dos chefes das Brigadas dos Mártires de al-Aqsa, milícia ligada ao movimento nacionalista.No entanto, ele cumpre pena de cinco prisões perpétuas pelo assassinato de cinco pessoas. Ele foi julgado e culpado em um tribunal de Tel Aviv. O ex-subchefe do serviço secreto Shabak, Ezra, defende que vários presos palestinos "que tinham sangue nas mãos desde o início do processo de Oslo" foram libertados por Israel. A partir disso, Barghouti pode ser o próximo. Apesar de estar preso, Barghouti participa ativamente dos principais processos políticos da ANP. Seus conselhos e decisõessão seguidos fielmente pela população e pelos militantes do Fatah. Em mensagem enviada na segunda-feira, 18, de sua cela, o carismático dirigente palestino anunciou seu apoio ao presidente Abbas e à sua decisão de declarar o estado de exceção e constituir um Governo de emergência.O líder preso considerou a tomada de Gaza pelo Hamas como "um golpe militar", prejudicial "à unidade e à causa palestina".Pela adesão às suas decisões e posturas políticas moderadas, Israel autoriza o líder palestino a entrar em contato com o exterior quase em absoluta liberdade. Nas crises, ele teve acesso até mesmo ao escritório do diretor da prisão, para falar por telefone com outros dirigentes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.