ARI VERSIANI/AFP
ARI VERSIANI/AFP

Ministro italiano pede que Europa financie iniciativas sustentáveis

Conrado Clini diz que o continente deve 'olhar para além de suas restrições orçamentárias'

Ansa,

13 de junho de 2012 | 16h54

ROMA - O ministro do Meio Ambiente da Itália, Conrado Clini, defendeu nesta quarta-feira, 13, que os governos europeus liberem recursos públicos para instituições e empresas que investem no "crescimento eficiente e sustentável".

Veja também:

blog Hollande, Putin e Ahmadinejad são presenças confirmadas na Rio+20

blog Negociações emperradas evidenciam divergências entre países na Rio+20

Clini argumentou que a Europa deve "olhar para além de suas próprias fronteiras e de suas restrições orçamentárias, assumindo a decisão estratégica de liberar recursos" para entidades que "investem em design e realização de tecnologias e de sistemas".

O ministro italiano observou que a demanda por "crescimento eficiente e sustentável" cresce "de modo cada vez mais claro das economias emergentes".

Por ocasião da abertura da Conferência das Nações Unidas para o Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20, que ocorre 20 anos após a Conferência Mundial para o Meio Ambiente e Desenvolvimento, ou Eco92, ele comentou que, após esse tempo, "a comunidade internacional se questiona sobre o futuro do planeta em uma situação completamente diferente".

Agora, indicou, "os considerados países desenvolvidos atravessam uma grave crise econômica que coloca em discussão sua liderança indiscutida em 1992, porque a 'locomotiva' da economia mundial mudou-se para os países Brics, e o crescimento veloz destes países aumentou a pressão sobre seus próprios recursos energéticos e naturais".

Clini realizou, no âmbito da Rio+20, um "Pavilhão Itália", para expor as iniciativas mais importantes do país europeu nos setores de tecnologias ambientais e energéticas.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.