Ministro japonês diz que EUA erraram ao invadir Iraque

A invasão norte-americana no Iraque, "baseada na suposição de que o país possuía armas de destruição em massa, foi um erro", disse nesta quarta-feira o ministro da Defesa do Japão, Fumio Kyuma. Ele afirmou que compreende a decisão dos EUA, mas disse que nunca apoiou a ocupação. "Minha opinião continua sendo a mesma", disse Kyuma.Kyuma fez os comentários durante uma coletiva de imprensa, horas após o discurso anual do presidente dos EUA, George W. Bush, ao Congresso. Na ocasião, Bush pediu apoio ao seu plano de enviar mais tropas norte-americanas ao Iraque.De acordo com o ministro japonês, apesar de o plano de Bush prever o aumento de tropas, o Japão não tem pressa para decidir se estenderá o apoio às forças norte-americanas no Iraque, previsto para acabar em julho.No entanto, o Japão não pretende ser o único país a desistir de apoiar os EUA, enquanto outros aliados continuam engajados nas missões norte-americanas no Iraque ou no Afeganistão. "Isso quebraria a harmonia do grupo", disse Kyuma, referindo-se ao G-8 - bloco formado por EUA, Rússia, Reino Unido, França, Japão, Alemanha, Canadá e Itália.As autoridades japonesas raramente criticam a política militar norte-americana publicamente. Atualmente, os EUA mantêm 50 mil soldados no Japão, sob um acordo de segurança entre Tóquio e Washington.Os dois países aliados unem esforços também para montar um sistema de defesa, idealizado após a realização dos testes nucleares norte-coreanos, em outubro de 2006. Segundo Kyuma, o Japão deve ser responsável pela instalação do sistema.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.