Ministro japonês que relativizou bomba atômica renuncia

Kyuma, da Defesa, dissera que o bombardeio americano na 2ª Guerra era inevitável

Agencia Estado

03 Julho 2007 | 15h27

O ministro da Defesa do Japão, Fumio Kyuma, renunciou ao cargo em meio a uma polêmica sobre declarações que fez a respeito das bombas atômicas lançadas pelos Estados Unidos contra as cidades japonesas de Hiroshima e Nagasaki na Segunda Guerra Mundial. No fim de semana, Kyuma disse que as bombas atômicas "não poderiam ter sido evitadas". Mais tarde, o ministro se desculpou pelos comentários, que enfureceram sobreviventes e fizeram com que políticos de oposição pedissem sua demissão. O primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, repreendeu Kyuma nesta segunda-feira. "O Japão é o único país que sofreu (o ataque de) uma bomba atômica. Nós precisamos sempre considerar e nos colocarmos na posição dos sobreviventes", disse Abe. A aprovação do primeiro-ministro vem caindo nas pesquisas de opinião no momento em que seu partido se prepara para eleições nacionais para o parlamento no final do mês. As bombas atômicas lançadas sobre Hiroshima e Nagasaki em 1945 mataram mais de 360 mil pessoas.

Mais conteúdo sobre:
Fumio Kyuma Japão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.