Ministro libanês pede ajuda humanitária urgente

O ministro do Interior do Líbano, Ahmed Fatfat, pediu ajuda humanitária para seu país, onde em algumas regiões faltam comida, remédios e recursos para reparar os danos causados pela artilharia e pela aviação de Israel."Dirijo-me a todos os países do mundo: precisamos de remédios e alimentos, ajudem-nos!", pediu Fatfat, numa entrevista publicada hoje pelo jornal russo "Izvestia".O ministro libanês disse que no norte do país há reservas para alimentar a população durante uma semana. Mas no sul já faltam alguns produtos, remédios e materiais para reparar os danos provocados pelas bombas."Não sabemos o que vai acontecer. No sul não há comida e também não podemos enviar ajuda, porque as estradas foram destruídas pelas bombas", ressaltou.Ele denunciou que recentemente, na fronteira do Líbano com a Síria, a aviação israelense bombardeou uma caravana de caminhões com remédios doados pela Arábia Saudita.Segundo o "Izvestia", os preços dos alimentos em Beirute dispararam e a maioria das lojas exige pagamento em dólares.A demanda de alimentos cresce porque a capital libanesa diariamente recebe milhares de refugiados, que se instalam nas casas de parentes ou em abrigos improvisados em escolas.O ministro libanês avaliou os prejuízos causados pelos ataques israelenses em mais de US$ 2 bilhões, mesmo valor que teria que ser investido para recuperar a economia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.