Ministro nomeado por Raúl é colaborador histórico da revolução cubana

O presidente interino de Cuba, Raúl Castro, designou nesta quinta-feira o histórico comandante Ramiro Valdés como ministro das Comunicações e Informática, exatamente um mês depois de ter tomado as rédeas do poder de maneira temporária.Raúl assumiu o poder provisoriamente em 31 de julho após a inesperada decisão de seu irmão, Fidel Castro, de se afastar do governo para ser submetido a uma cirurgia intestinal.Ex-ministro do Interior, Valdés fez parte na juventude do grupo que tomou o Quartel Moncada, viajou no iate Granma para montar a guerrilha que levou ao poder em 1959 os irmãos Fidel e Raúl Castro e também colaborou com o legendário Ernesto "Che" Guevara.Nos últimos anos, ocupou a presidência do Grupo de Eletrônica, um organismo estatal empresarial.Com sua nomeação, Valdés soma-se a outros dois uniformizados no gabinete cubano: Ulises Rosales del Toro (ministro do Açúcar) e Abelardo Colomé Ibarra (Interior).A escolha do ministro foi vista com "surpresa" por diplomatas consultados pela EFE, dada uma suposta disputa histórica entre o ministério do Interior, que Valdés comandou por duas vezes, e as Forças Armadas cubana, dirigidas por Raúl Castro.Para um analistas ocidental, no entanto, essa história "não passa de um mito" e Valdés "é um eficaz e eficiente empresário há muitos anos".Ainda segundo este analista, o Estado cubano "está reordenando o governo, e terá que reocupar pastas sem ministros, como a da Agricultura". Nesse sentido, continuou o analista, "Ramiro Valdés é uma figura histórica que foi colocada em um posto estratégico".Em um país em que o simbolismo tem grande importância, a escolha de Valdés para protagonizar a primeira mudança ministerial desde 31 de julho é de grande importância. Ele é um dos três "comandantes da revolução" que continua vivo, título que não cabe nem à Raúl. Saúde de FidelConsiderada um segredo de Estado, há várias semanas não se sabe nada de concreto sobre a saúde de Fidel e apenas comentários vagos foram divulgados sobre "a recuperação" paulatina do líder de 80 anos. Um vídeo da visita realizada por seu colega venezuelano e amigo pessoal, Hugo Chávez, também foi divulgado à época do aniversário de Fidel.Embora pouco se saiba também sobre as atividades do presidente interino, um artigo do Granma - órgão oficial do Partido Comunista Cubano - indicou que ele recebeu nos últimos dias um enviado pessoal do presidente sírio, Bashar Assad.Este tipo de reunião, de caráter política, fazia parte das tarefas habituais destinadas a Fidel, enquanto seu irmão se concentrava em suas funções de ministro das Forças Armadas.A Síria faz parte do Movimento de Países Não-Alinhados, cuja próxima cúpula será realizada em duas semanas em Havana.Neste primeiro mês à frente do governo cubano, Raúl Castro tem mantido grande discrição. Ele protagonizou apenas dois atos públicos desde então: o recebimento do presidente venezuelano, Hugo Chávez, no dia 13 de agosto, e um encontro com uma delegação síria no último domingo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.