Karim Kadim/AP
Karim Kadim/AP

Ministro palestino morre após confronto com militares na Cisjordânia

Testemunhas disseram que Ziad Abu Ain foi espancado por um soldado israelense durante uma passeata; dezenas de palestinos participavam da manifestação

O Estado de S. Paulo

10 de dezembro de 2014 | 12h13

RAMALLAH - Um ministro palestino morreu pouco depois de ser atingido por soldados israelenses durante um protesto nesta quarta-feira, 10, na Cisjordânia ocupada. Ziad Abu Ein, ministro sem pasta definida que tinha 55 anos, foi levado às pressas do local por uma ambulância, no vilarejo de Turmusiya, mas morreu rumo à cidade palestina vizinha de Ramallah.

Testemunhas disseram que Ein, foi espancado por um soldado israelense. O Exército israelense afirmou que analisa o incidente. A Autoridade (AP) Palestina declarou que estava estudando uma resposta. 

"O governo de Israel tem total responsabilidade pela morte do ministro Abu Ein e pelos sistemáticos crimes cometidos contra o povo palestino", disse Saeb Erekat, negociador-chefe do governo palestino e importante auxiliar do presidente Mahmoud Abbas. "Esse novo assassinato terá sérias consequências." Erekat não forneceu detalhes sobre a resposta que a AP planeja dar para o caso. 

Os eventos tiveram início com uma passeata realizada por dezenas de palestinos, que se dirigiam para terras agrícolas perto da vila de Turmusiya, na Cisjordânia, para plantar mudas de oliveiras. As terras ficam perto de um assentamento israelense e são consideradas zona proibida para os agricultores da vila. 

Na medida em que a passeata avançava, soldados israelenses lançaram gás lacrimogêneo e granadas de efeito moral contra os palestinos, disse Kamal Abu Sassaka, assistente de Abu Ein que estava ao lado do ministro durante todo o trajeto. 

Abu Ein disse a um oficial israelense que se tratava de um protesto pacífico, mas recebeu a informação de que a passeata não poderia prosseguir, afirmou Abu Sassaka. 

Segundo ele, houve empurra-empurra entre os participantes do protesto e os soldados e os militares lançaram gás lacrimogêneo na direção das pernas dos palestinos. Abu Sassaka afirmou que um soldado atingiu o peito de Abu Ain com a coronha de um rifle, relato confirmado por outras testemunhas. 

As tensões bilaterais têm se intensificado nas últimas semanas em decorrência da morte de dez israelenses e um visitante estrangeiro durante ataques feitos por palestinos. Mais de uma dezena de palestinos morreram durante o mesmo período, incluindo a maioria dos acusados de conduzir os atentados. / AP e REUTERS 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.