Ministro russo faz lista de tesouros iraquianos

O ministro da Cultura da Rússia demonstrou sua preocupação de que a guerra liderada pelos EUA no Iraque possa destruir tesouros históricos, entregando ao embaixador americano uma lista dos monumentos e outros itens de importância cultural que estão em risco, disse o ministério. A lista que o titular da pasta da Cultura, Mikhail Shvydkoi, forneceu ao embaixador americano, Alexander Vershbow, inclui ruínas da Babilônia, peças de arte da Mesopôtâmia e antigos textos em escrita cuneiforme, informou a agência russa ITAR-Tass. "Tais relíquias pertencem não só ao Iraque, mas a toda a humanidade. Por isso, estamos extremamente preocupados", afirmou Shvydkoi, segundo a ITAR-Tass. A porta-voz do ministério da Cultura, Natalya Uvarova, disse que Vershbow expressou compreensão em relação à preocupação russa e concordou que os tesouros históricos deveriam ser preservados durante os conflitos. Nenhum comentário oficial imediato foi divulgado pela embaixada americana.Na sexta-feira, Shvydkoi enviou uma carta à direção da Unesco, a organização da ONU para a Educação, Ciência e Cultura, alertando que a guerra estava colocando as relíquias culturais do Iraque sob risco de destruição e sugeriu a criação de um grupo de monitoramento, sob o amparo da Unesco, destinado à proteção de tais tesouros durante conflitos armados. Uvarova disse que, embora os especialistas dos EUA e da Rússia devam ter um nível similar de conhecimento sobre as relíquias históricas no Iraque, Moscou tem um amplo arquivo a respeito e achou que poderia ser útil a apresentação da lista para os EUA. Shvydkoi disse que ele e Vershbow também discutiram sobre os laços culturais entre a Rússia e os EUA, os quais, segundo o ministro russo, estavam se desenvolvendo "ativamente", tanto quanto antes do desacordo entre os dois governos sobre a guerra no Iraque, à qual a Rússia se opõe. Veja o especial :

Agencia Estado,

31 de março de 2003 | 13h33

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.