Alexei Nikolsky/Sputnik/Kremlin Pool via EFE/EPA
Alexei Nikolsky/Sputnik/Kremlin Pool via EFE/EPA

Ministro russo morre ao mergulhar em rio no Ártico para salvar cineasta

Yevgeni Zinichev participava de um treinamento de emergência; documentarista preparava trabalho sobre o desenvolvimento na região

Robyn Dixon / The Washington Post, O Estado de S.Paulo

08 de setembro de 2021 | 16h01

MOSCOU - O ministro de Defesa Civil, Emergências e Desastres da Rússia morreu nesta quarta-feira, 8, ao mergulhar em um rio no Ártico para tentar resgatar um diretor de cinema premiado, que também não sobreviveu. As mortes ocorreram durante um treinamento de emergência no Ártico, realizado antes dos massivos exercícios militares quadrienais do Zapad com a Belarus, que devem começar na sexta-feira, 10.

Yevgeni Zinichev havia servido anteriormente como ajudante de campo do presidente russo, Vladimir Putin, e era um membro de confiança do grupo mais próximo do líder em sua cidade natal, São Petersburgo. Zinichev, de 55 anos, também compartilhava da história da KGB da era soviética com Putin, então conhecido como Leningrado. Zinichev esteve na segurança de Putin de 2006 a 2015, de acordo com a mídia russa.

Segundo relatos, o diretor de cinema Alexander Melnik tropeçou e caiu de um penhasco na cachoeira Kitabo-Oron no Planalto Putorana, fora de Norilsk. O ministro então mergulhou para salvá-lo.

Margarita Simonyan, editora-chefe da TV RT , disse nas redes sociais que Zinichev bateu em uma pedra ao pular na água. Ela disse que Zinichev e Melnik estavam em uma saliência perto da borda quando o cineasta escorregou.

“Ele não hesitou um segundo e agiu não como ministro, mas como salvador, realizando um feito heróico. Ele fez isso durante toda a vida”, disse seu vice, Andrei Gurovich, à televisão russa.

Melnik, de 63 anos, cineasta e membro da Guilda dos Diretores de Cinema da Rússia, estava em Norilsk para filmar um documentário sobre o desenvolvimento do Ártico e da Rota do Mar do Norte na Rússia. Seus filmes incluem Nova Terra (2008) e Território (2015).

Zinichev foi nomeado chefe do FSB, o serviço de inteligência doméstico da Rússia, em Kaliningrado em 2015 antes de se tornar governador em exercício lá. Ele voltou a Moscou e tornou-se vice-diretor do FSB.

O secretário de imprensa de Putin, Dmitri Peskov, disse que a experiência de Zinichev dirigindo o serviço de inteligência influenciou a decisão do presidente de nomeá-lo para seu cargo atual como ministro dos serviços de emergência em 2018. Ele disse que Putin enviou um telegrama expressando condolências à família.“Eles trabalharam juntos por muitos anos. Esta é uma grande perda ”, disse Peskov.

O exercício envolveu treinamento para lidar com situações de crise no Ártico. Cerca de 6 mil funcionários participaram do treinamento, que envolveu 12 cenários de emergência de Murmansk, no oeste, a Chukotka, no leste, com 18 agências governamentais envolvidas, de acordo com o ministério.

Tudo o que sabemos sobre:
RússiaYevgeni Zinichev

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.